Anton LaVey

Anton Szandor LaVey, nascido Howard Stanton Levey (Chicago, 11 de abril de 1930 — São Francisco, 29 de outubro de 1997), fundou a Igreja de Satã. Segundo sua auto biografia, tem ascendência georgiana da Alsácia, alemã, e romena. Além de líder da primeira organização abertamente satânica da história, LaVey também trabalhou como músico, fotógrafo forense, ocultista e domador de feras em circos, entretanto alguns documentos neguem tais informações.

A Igreja

LaVey começou apresentando nas noites de sexta-feira palestras e rituais de ocultismo. Um membro do círculo sugeriu que deveria fundar uma igreja.

Em 30 de abril de 1966, divulgou-se, oficialmente, que raspou a cabeça “na tradição dos antigos carrascos”, e segundo adoradores do diabo Yezidi do Iraque, e se declarou o fundador da Igreja de Satanás, e Sumo Sacerdote Satanás. Proclamou então em 1966 como o sendo o Ano Um, Ano de Satanás, o primeiro ano da Era de Satã.

Posteriormente, Diane LaVey afirmou que Anton teria raspado sua cabeça devido a uma desafio com ela no verão de 1966, e não havia relação com a Igreja de Satã. Estudiosos afirmam que os Yezidi qawwals, os mestres Yezidi, não raspavam a cabeça.

LaVey realizou batismos satânicos. O primeiro batismo satânico da história foi em 23 de maio de 1967, o de sua filha, então com 3 anos, Zeena LaVey, quando esta foi consagrada ao Diabo, numa cerimônia com direito a mulher nua e LaVey com seu famoso capuz com chifres.[19][20] O evento ganhou notoriedade mundial e serviu para a gravação do LP The Satanic Mass.  Nesse período LaVey afirmava que tinha 250 seguidores em São Francisco, Califórnia. Lavey também fez funerais satânicos, com destaque para o do marinheiro Edward Olsen.

LaVey de início formou um grupo chamado a Ordem do Trapézio, que mais tarde evoluiu para o corpo governante da Igreja de Satanás. Posteriormente, instituiu-se um grau para os mais elevados na ordem, o Conselho dos Nove.